26 de mai de 2010

Bullying.... Não é o que você pensa ser...... CUIDADO

Bullying: é preciso levar a sério ao primeiro sinal


Esse tipo de violência tem sido cada vez mais noticiado e precisa de educadores atentos para evitarem consequências desastrosas.
Entre os tantos desafios já existentes na rotina escolar, está posto mais um. O bullying escolar - termo sem tradução exata para o português – tem sido cada vez mais reportado. É um tipo de agressão que pode ser física ou psicológica, ocorre repetidamente e intencionalmente e ridiculariza, humilha e intimida suas vítimas. "Ninguém sabe como agir", sentencia a promotora Soraya Escorel, que compõe a comissão organizadora do I Seminário Paraibano sobre Bullying Escolar, que reuniu educadores, profissionais da Justiça e representantes de governos nos dias 28 e 29 de março, em João Pessoa, na Paraíba. “As escolas geralmente se omitem. Os pais não sabem lidar corretamente. As vítimas e as testemunhas se calam. O grande desafio é convocar todos para trabalhar no incentivo a uma cultura de paz e respeito às diferenças individuais”, complementa.
A partir dos casos graves, o assunto começou a ganhar espaço em estudos desenvolvidos por pedagogos e psicólogos que lidam com Educação. Para Lélio Braga Calhau, promotor de Justiça de Minas Gerais, a imprensa também ajudou a dar visibilidade à importância de se combater o bullying e, por consequência, a criminalidade. "Não se tratam aqui de pequenas brincadeiras próprias da infância, mas de casos de violência, em muitos casos de forma velada. Essas agressões morais ou até físicas podem causar danos psicológicos para a criança e o adolescente facilitando posteriormente a entrada dos mesmos no mundo do crime”, avalia o especialista no assunto. Ele concorda que o bullying estimula a delinquência e induz a outras formas de violência explícita.
Seminário - Organizado pela Promotoria de Justiça da Infância e da Adolescência da Paraíba, em parceria com os governos municipal e estadual e apoio do Colégio Motiva, o evento teve como objetivo, além de debater o assunto, orientar profissionais da Educação e do Judiciário sobre como lidar com esse problema. A Promotoria de Justiça elaborou um requerimento para acrescentar os casos de bullying ao Disque 100, número nacional criado para denunciar crimes contra a criança e o adolescente. O documento será enviado para o Ministério da Justiça e à Secretaria Especial de Direitos Humanos.
Durante o encontro também foi lançada uma publicação a ser distribuída para as escolas paraibanas, com o objetivo de evidenciar a importância de um trabalho educativo em todos os cenários em que o bullying possa estar presente – na escola, no ambiente de trabalho ou mesmo entre vizinhos. Nesse manual, são apresentados os sintomas mais comuns de vítima desse tipo de agressão, algumas pistas de como identificar os agressores, conselhos para pais e professores sobre como prevenir esse tipo de situação e mostram-se, ainda, quais as consequências para os envolvidos.
Em parceria com a Universidade Maurício de Nassau, a organização do evento registrou as palestras e as discussões – o material se transformará num vídeo-documentário educativo que será exibido nas escolas da Paraíba, da Bahia e de Pernambuco.

24 de mai de 2010

Amizade ultrapassa Fronteiras.



Uma amizade verdadeira surge do nada, de uma simples brincadeira.




Janett uma Curitibana que apareceu em meu caminho,
trazendo em sua bagagem muita,
muita alegria, aos poucos nossa amizade foi
se fortalecendo, hoje é uma grande alegria,
tê-la como amiga,
Sou feliz com as amigas que a
rede de Amigos orkut me proporciona.

Luziene, uma Riograndense que veio  
cheia de encantos e de alegria também
pudera, Ela é da  cidadezinha
chamada Encanto, a uns 600km da capital
 a anjinha Filha, Sim, sim, 
para a amizade não  não há fronteiras,
distâncias, ela supera tudo, até 
o que parece inexplicavel , ela
surge por meio de uma palavra, a qual
a pessoa jamais espera ouvir ou ler do outro.
Sueli minerinha carinhosa, " Anjinha Mãe" rsrsrs.
Sim uma mãe e tanto, Lu que o diga.
Tendo na ponta de seus preciosos
dedinhos o que sempre queremos ouvir.
No caso ler, pois ainda não inventaram
um meio das letras falaram rsrs.
Su, carinhosamente conhecida por
suas amigas, é um amor de pessoa,

Nossa o que falar  da Denise  Gaúcha
que tanto adoro, ela foi a minha página
e disse uma frase, eu sorri tanto,
mas respondi a ela, fingiremos não
saber,  aquela frase foi o iníco de uma
linda amizade, hoje quase depois 2 anos  ela
continua linda e resistente a distância e
a vontade de conhecê-la pessoalmente.
Leocadia " Lolla" Nossa chamá-la
pelo apelido é estranho, para mim sempre
será a Leocadia, uma Blumenauense
que hoje mora no interior de Sanata Catarina
na cidadezinha  chamada Joaçaba,
a conheci na mesma epoca da Denise,
pelo mesmo motivo uma brincadeira
de amigo secreto na comunidade onde todos
brincavam  porém ela hoje nem sei dizer se ainda existe.
Mas agradeço a Deus por ter colocado
em minha vida pessoas maravilhosas
como as cinco amigas que hoje tenho.


Hoje Su, Lu, Janett e eu tentamos
Administrar uma comunidade, na real,
sou a mais desleixadam, mal passo
por lá, de verdade tenho preguiça kkk,
mas quando resolvo, dou  uma
viajada geral pelos tópicos.
Su você se dá bem com as cordas do violão,
Lu com os aluninhos dela, eu com minhas panelas
Janett, não sei kkk, mas ela manda bem nos
videos eita menina romantica sô.
Meninas até que não somos más
Administradoras
Sempre sorrindo vamos vivendo e
aprendenado, adorei o convite, mas não
é meu forte postar por lá, apareço
mais para fazer gracinhas, acho que
nasci para ser humorista,
vai saber não é mesmo rsrsrs
 Leocadia, faltou a Denise para o trio está completo....
Um dia não tão longe vamos tirar um montão de fotos
as três juntas e daremos muitas risadas...

Olha as três pessoas mais  que
alegras são muitíssimo simpaticas,
me fazem sorrir, nos mais
duros momentos de minha vida.
Obrigada meninas.
Um dia está foto deixará de ser
montagem e será uma foto tirada na hora..
Quando menos imaginar irei reunir
minhas cinco amigas para uma foto SÓ.
         Tudo bem sonhar não paga e não nos custa nada kkkk.
              Sou por ordem alfabetica......


                  Denise     ------Porto Alegre-RS
                  Janett      ----- Curitiba-PR
                  Leocadia ----- Joaçaba-SC
                  Luziene   ----- Rio Grande do Norte.
                  Simône    ----  Araçatuba-SP
                  Sueli       -----  Barbacena-MG.

Imaginem a bagunça que será
o dia que está mulherada se encontrar,
pois cada região tem um jeito
de falar, será uma mistura de cultura
maravilhosa, sonho sempre
com o dia que estaremos todas juntas,
lembrando das vezes que
conversamos pelo ORKUT, MSN e por
E-MAIL...
Meninas muitíssimo obrigada
pro fazerem parte de minha vida...
Cada uma de vocês tem um
lugarzinho especial em meu coração.

18 de mai de 2010

Pensando.....:)

Fico a pensar, na vida, nas atitudes das pessoas,
o porque ter duas formas de agir  e reagir.
O ser humano é o animal mais complicado de conviver.
Queria que todos soube-se onde pode e não pode mexer,
saber falar na hoira certa e se calar quando necessário.
Quanto mais penso menos compreender o ser humano, mas entendo os animais.
Veja um pássaro que pousa na sua janela, você conversa com ele e ele somente
te ouve, voa rumo ao desconhecido, já o gatinho e fica a passar o rabo por suas
pernas quanto assim te dando carinho, pois neste momento ele sente que está
necessitando de carinho para sair da solidão, o cachorro te abana o rabo e
te olha com carinha de peidade, mas ele compreende que o silêncio é o melhor
naquele momento a ser feito.
Nessa tarde fria queria apenas um destes animais para me fazer companhia, não to 
vivendo uma solidão, mas estou triste por dentro, é uma tristeza sem tamanho, ela 
veio depois de uma decepção, pior que decepcionamos, com facilidade, há coisas
que nos acontece para aprendermos a dizer Não, na hora certa.
Mas Deus é pai.... Ele me ajudará a superar mais está Paulada.....


5 de mai de 2010

Com o passar dos anos...

O tempo foi passando e logo fui vendo que o futuro me aguardava,  Belas coisas estavam por vir, era cada coisa que me acontecia, andava de barco, até chegamos a ficar enganchados em pleno rio, parecia coisa de filme, o barco cheio de compras, tanto para nosso sustento, quanto sal para as vacas era umas 20h
Meu pai ficou apavorado, logo gritou molecada, fique quietos, o barco pode virar e viraremos comida de peixe, na verdade ele tinha razão, ao meio a escuridão ninguém nunca saberia o fim que teria levado nossa família, lá estava eu, meus pais e 3 irmãos.
Foi uma aventura e tanto, ele tentando fazer com que o barco saísse daquele local, antes que fosse tarde demais, e hoje não poderiam está aqui para desfrutarmos as belezas que a natureza e aquele belo Rio nos proporcionavam viajar no tempo.


Morávamos numa casa bem bonita era de madeira, lá tinha tudo que precisávamos para sermos felizes, tínhamos animais de estimação até uns porquinhos para dar ração.
Sinto falta da minha vida na fazenda. O mais engraçado é que ver TV naquela época era coisa chique, o motor que nos trazia luz era ligado por 2h, portanto, somente se via o Jornal Nacional e a novela das 20h, como lá são 2h a menos que em Brasília, tudo passava mais cedo, desenho animado nem sonhar, eu assistia historinha infantil pelo rádio de minha era legal, eu tinha que imaginar como os bichinhos faziam, a tia Heleninha era minha programação predileta, até hoje sou fã de rádio, prefiro mais eu a TV, pois a TV, nos deixa preguiçosos. Já o rádio nós temos que por nosso cérebro para funcionar, imaginar a imagem que o locutor descreve. Valeu tudo que vivi naquele lugar lindo e aconchegante. Lá tem o Rio Machado que conhecido no Brasil todo, o Rio Palha onde pesquei muito com meus irmãos, tinha um pomar maravilhoso, plantações de Seringas as quais ajudamos a plantar, as lavouras de melancias, milho, mandioca, eram tudo perfeito, castanha do Pará tínhamos sem nenhum custo, cupuaçu, são tantas frutas que melhor nem lembrar senão, ficarei na vontade e com um imensa saudade...
Hoje se passado 18 anos me restou boas lembranças, até voltei lá, mas tudo estava mudado, a casa onde cresci estava feito uma tapera, a casa grande correndo risco de desabar, o descuido tomou conta daquela beleza, que um dia pude desfrutar.
Sem perceber foi caindo lagrimas de meus olhos, o peão que por ali passava gritou por meu pai, pois pensou que eu estava com medo de algo, mas eram apenas as lembranças de uma pequena que estava a flora, como aquela mangueira que havia naquele lugar, pensei comigo, como em pouco tempo tudo que havíamos construído em longos 12 anos tinha se destruído em 4 anos.
Ficar quieta, relembrar meus bons tempos de infância é gratificante, pois nesta época muito, muito feliz e nem fazia idéia.
Só em pensar que meus pais pegaram seus dois filhos, pois num caminhão a mudança e fomos rumos a Rondônia, no meio do nada construiu fortuna, se passou 17 anos, deixei-os por lá e sai rumo a um futuro desconhecido, até então tudo era desconhecido para mim.
Deixei de ser a menina feliz da fazenda, para me tornar a Jornalista realizada.
Que trás na bagagem boas lembranças e uma imensa saudades do que viveu num local
onde para muitos é desconhecido...